ABREAV prevê exportação de 350 mil bovinos vivos em 2017

A reunião ordinária da Associação Brasileira dos Exportadores de Animais Vivos (ABREAV), na segunda (23), em São Paulo, debateu temas relevantes para o setor. Segundo o presidente da entidade, Ricardo Barbosa, o Brasil figura uma posição de destaque no segmento. “O país possui um excedente de rebanho bovino capaz de atender tanto a exportação de carne, quanto a exportação de bovinos”, afirmou. A ABREAV foi institucionalizada recentemente e já representa 33% da exportação brasileira de bovinos vivos.

O assessor técnico da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da CNA, Rafael Linhares, fez uma apresentação sobre a “participação da CNA em prol das exportações brasileiras de gado vivo”. A CNA atuou na revisão de Certificados Zoosanitários Internacionais (CZI) já estabelecidos, na homologação de CZI Padrão e na homologação de CZI para abertura de novos mercados.

A mais recente atuação da CNA esta sendo na revisão da Instrução Normativa 13 de 2010 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A IN 13 estabelece as normas de procedimentos básicos para a preparação de animais vivos para a exportação.

“A exportação de bovinos vivos é mais uma opção para o produtor na venda de seus animais. O pecuarista pode comercializar seus animais para o abate, vender seus animais para exportação ou até mesmo se tornar um exportador de gado em pé, com a devida preparação”, segundo o assessor.

A ABREAV pretende oferecer todo o suporte para empresas e produtores associados se tornarem exportadores. O suporte se dará na preparação e aprovação dos Estabelecimentos de Pré Embarque (EPE), nas questões sanitárias, nos assuntos de ordem logística, entre outros.

Toda operação atende padrões de manejo nutricional e sanitário, além das normas de bem estar animal desde as fazendas de origem até o desembarque no porto de destino. A via marítima é o principal modal dessas exportações onde navios adequados fazem o transporte.

Os primeiros embarques de gado vivo brasileiro ocorreram em 2003, quando não existia a função da EPE. O setor se desenvolveu com o apoio do MAPA e teve seu auge entre os anos de 2013 e 2014, quando cada ano exportou mais de 600 mil bovinos. Essas exportações refletem ainda mais a excelência sanitária do rebanho bovino brasileiro.

Atualmente o setor vem retomando seu crescimento e a ABREAV espera que 350 mil animais sejam exportados em 2017, principalmente pelo interesse da Turquia, Egito, Iraque, Jordânia e Líbano.