AEA concede título de “Agrônomo Honorário” ao secretário Arnaldo Jardim

Associação dos Engenheiros Agrônomos concede título de “Agrônomo Honorário” ao secretário Arnaldo Jardim e premia técnicos da Pasta

A Associação dos Engenheiros Agrônomos do Estado de São Paulo (Aeasp) homenageou na noite de quarta-feira, 3 de maio de 2017, o secretário Arnaldo Jardim e técnicos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo durante a 45ª Cerimônia do Prêmio Deusa Ceres, realizada na 24ª edição da Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow), em Ribeirão Preto.

O presidente da Aeasp, Angelo Petto Neto, e os vice-presidentes, Henrique Mazotini e Arlei Arnaldo Madeira, entregaram a Arnaldo Jardim, que é engenheiro civil, o prêmio “Personalidade 2016” e o nomearam “Engenheiro Agrônomo Honorário”, em reconhecimento ao compromisso com o agronegócio paulista e sua gestão à frente da Pasta Estadual. Arnaldo Jardim recebeu ainda uma placa da Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto (Aeaarp) pelos serviços prestados ao setor.

Ovacionado pelos engenheiros agrônomos presentes, Arnaldo Jardim se mostrou surpreso e emocionado e agradeceu aos familiares e à equipe da Pasta pelo aprendizado. “Sou profundamente grato pela convivência e apoio que muito me inspiram nesses dois anos de Secretaria”, disse afirmando, relembrando que passou a ter maior proximidade com a profissão quando foi paraninfo dos formandos de 2015 de Ciência Agronômicas da Esalq.

Superando os desafios por ser um engenheiro civil que assumiu a gestão da agricultura paulista, Arnaldo Jardim avaliou que não há profissão na qual a distância entre a atividade profissional e a vida seja menor do que a do engenheiro agrônomo. “Tenho profundo respeito por vocês, e o maior exemplo que tento entender, assimilar e compartilhar é o fato de vocês fazerem da profissão um gesto de viver e fazer do gesto de viver um exercício contínuo da profissão. Talvez porque estejam ligados ao gesto de semear, produzir vida e colher, mas vocês são extraordinários nessa capacidade”, disse.

O trabalho de da Secretaria também foi reconhecido com a entrega da Medalha “Fernando Costa”na categoria assistência técnica e extensão rural ao engenheiro agrônomo Jovino Paulo Ferreira Neto, diretor técnico do Escritório de Desenvolvimento Rural (EDR) de Guaratinguetá, da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati).

Ele iniciou suas atividades em 1991 como assistente agropecuário da Casa da Agricultura de Itapetininga. “O que mais querer do que trabalhar na extensão rural, contribuindo para o desenvolvimento do setor? Combatemos o bom combate para construir um mundo melhor, na implantação das políticas públicas que transformam em realidade a qualidade de vida das famílias rurais”, afirmou. A entrega do prêmio foi feita pelos agrônomos Nelson Matheus e Victor Branco de Araújo.

O trabalho de defesa animal e vegetal realizado na Pasta também contribuiu para que o coordenador substituto da Defesa Agropecuária (CDA), Mário Sérgio Tomazela, recebesse a medalha na categoria defesa agropecuária. De acordo com Tomazela, a premiação coroa uma atuação de 23 anos de empenho. “Tive o privilégio de sempre atuar ao lado de pessoas que agregaram à minha profissão e valorizaram a defesa agropecuária, agindo com a integração junto ao setor produtivo. Nessa jornada vencemos grandes desafios, como o combate a novas pragas, doenças e situações, porque acreditamos”, avaliou.

Ao receber a Medalha Fernando Costa na categoria “Pesquisa”, o diretor geral do Instituto Biológico (IB), Antonio Batista Filho voltou à infância, relembrando os tempos em que auxiliava o pai, agricultor familiar em Atibaia. “Por isso, eu sempre ia ao Instituto comprar vacinas para os animais que ele criava e isso certamente teve influência sobre mim”, disse o engenheiro agrônomo, que ingressou na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq), em 1977.

“Hoje o Instituto é referência em sanidade animal e vegetal. Agradeço o reconhecimento e também o apoio dos familiares, gestores e colegas de trabalho, desde o mais humilde dos colaboradores, pela convivência profícua e sempre respeitosa”, agradeceu Batista.

O presidente da Aeasp, Angelo Petto Neto, destacou a crescente valorização do setor agropecuário pela sociedade, reafirmando a responsabilidade do engenheiro agrônomo. “Devemos participar do estabelecimento contínuo da renda do produtor rural e lutar para que as instituições promovam leis e estrutura para exercer a profissão, contribuindo para uma produção sustentável de alimentos, combustível para a vida”, avaliou o engenheiro agrônomo.

Na cerimônia, o Troféu Deusa Ceres premiou como Engenheiro Agrônomo do Ano José Carlos Gonçalves, que tem representativa atuação na área do café. Também foram homenageados com a Medalha Fernando Costa os engenheiros agrônomos Roberto Mello de Araújo, na categoria “Ação Ambiental”; Simon Johannes Maria Veldt, “Cooperativismo”; Marcos Fava Neves, “Ensino”; e Lincoln Hiroshi Miike, “Iniciativa Privada”.

A Medalha “Joaquim Eugênio de Lima” foi concedida à engenheira agrônoma Taís Tostes Graziano e o “Destaque” ao jornalista José Hamilton Ribeiro.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com