ASBRAM debate ano desafiador para a suplementação mineral

Economia brasileira vai bem, mas o mundo prevê um 2023 de sobressaltos e a nossa Pecuária necessita nutrir melhor os rebanhos.

As empresas de suplementos minerais utilizados na nutrição de rebanhos esperam um trimestre mais movimentado para recuperar parte da queda nas vendas verificada em 2022. Nos nove meses deste ano, o segmento comercializou 1,93 milhões de toneladas, um tombo de 6,7%. “O movimento negativo vem ocorrendo nos últimos 13 meses. Só houve um movimento positivo no mês de março. É sinal de contração mesmo”, afirmou Felippe Cauê Serigati, professor de Economia da Fundação Getúlio Vargas, pesquisador do Centro de Agronegócios da FGV e consultor ligado à Associação Brasileira das Indústrias de Suplementos Minerais (ASBRAM) para análise setorial e conjuntural do mercado de suplementos minerais do Brasil. A perspectiva foi debatida na reunião mensal da entidade, em São Paulo, realizada na semana passada, quando mais de trinta representantes da indústria mergulharam em questões como o futuro da economia do país, as turbulências internacionais, geopolítica nacional e do exterior, os prognósticos sombrios para inflação, taxa de juros e crise energética nas principais nações do hemisfério Norte.

Outra preocupação examinada foi o percentual de animais suplementados que emergem das estatísticas da Asbram. Saldo de 76 milhões de cabeças em setembro passado, 3,6% menor do que em setembro de 2021. A diminuição sobre 2021 foi ainda maior se olharmos desde janeiro: 5,2% nos nove meses. “Observando os estados, existem números que ainda não consigo decifrar o que vem se passando. Ainda mais quando fazemos a conta de quanto cada animal é suplementado na média. Insumo comprado dividido pelo rebanho do Estado. Vemos Mato Grosso com 6,4%, 15,3 quilos por animal apenas. Paraná com 14,3% e Mato Grosso do Sul com 35%. Por enquanto, temos apenas pistas. Estamos no ciclo de retenção de fêmeas e o rebanho está crescendo. Mais de 3%. Para o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), já são 224,6 milhões de cabeças. O que, aliás, causa muita controvérsia. Precisamos estudar melhor tudo para termos um quadro mais claro”, concluiu Serigati.

O professor tem razão. Tanto que o respeitado Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) revisou recentemente a metodologia de acompanhamento do rebanho brasileiro, reduzindo o total em 70,4 milhões de cabeças, tomando 2021 como referência. Os dados, que estavam sendo divulgados em 264,2 milhões até setembro, foram revistos para 193,8 milhões de cabeças. “Houve uma revisão da metodologia e, consequentemente, toda a série histórica, e não apenas o dado de 2021. Não houve ‘sumiço de gado’, mas sim, uma substituição de toda a base”, detalhou Maurício Palma Nogueira, engenheiro agrônomo, diretor da Athenagro e coordenador do Rally da Pecuária. A metodologia Athenagro também sugere um dado distinto, de 182,3 milhões de cabeças. A avalanche de dados norteiam os executivos que traçam cenários e vislumbram possibilidades de aumentar os resultados, fornecendo nutrição de qualidade para melhorar a entrega de carcaça e performance de rebanhos. “A gente trabalha bastante no escuro e informação de qualidade é o que mais precisamos”, apontou Juliano Sabella, Presidente da Asbram.

A clareza sobre o que se passa no cenário político e econômico brasileiro e mundial ganhou força na segunda etapa da reunião da Associação. O professor Felippe Cauê Serigati atualizou os dados de mercado da venda de suplementos minerais no país. A ASBRAM reúne 62% das empresas do setor. No mês passado, foram comercializadas 230 mil toneladas, recuo de 6,9% sobre setembro de 2021. No acumulado deste ano, o total alcança 1,93 milhão de toneladas, 6,7% abaixo dos nove meses iniciais do ano passado. “É uma retração que persiste. E que deve marcar posição até encerrar 2022. O que pode mudar é o número, de acordo com a performance da indústria neste último trimestre. No pior cenário, as vendas chegam a 2,43 milhões de toneladas e o tombo fica em 7,5% sobre as 2,55 milhões de toneladas de 2021. No panorama mais otimista, serão comercializadas 2,54 milhões de toneladas. Neste caso, a contração marcará 3,2%. Prefiro arriscar um palpite que fica no meio do caminho: 2,5 milhões de toneladas vendidas e mercado encolhendo 5,4% em relação a 2021”, calculou Felippe.

O professor ainda disse que o Brasil ajustou a economia na frente da maior das potências, elevando a taxa de juros, e conseguiu baixar a inflação. E vamos chegar ao Ano Novo crescendo mais do que a Alemanha e com inflação menor do que os Estados Unidos. “Quem poderia imaginar um número assim? Mas tem muita casca de banana no meio deste caminho. Para o Fundo Monetário Internacional (FMI), o mundo vai fechar 2022 com crescimento de 3,2% na média, porém, em 2023, a velocidade diminui. Apenas 2,7% na média, sendo que um terço dos países vai registrar recessão técnica em algum momento do período. Sem falar que as economias avançadas estão se comportando como países emergentes. Aumentando gastos enquanto enfrentam uma crise energética seríssima e uma guerra entre Rússia e Ucrânia no front europeu. Logo, não é errado pensar em guerra cambial, inflação galopante, bancos centrais defendendo as moedas em uma trincheira isolada. É atenção máxima com gestão, mercado, custos e números dentro do Agronegócio do Brasil”, concluiu.