Boas dicas para o descarte de matrizes

Fazendas com desempenho acima da média renovam rebanho e promovem pressão de seleção

Como é sabido entre os criadores, o descarte de matrizes segue alguns padrões. Mas quais os parâmetros adotados por fazendas que conseguem promover não só a reposição do rebanho, mas forte pressão de seleção ao final da estação de monta? Profissionais da Fazenda Lageado, em Santa Rita do Araguaia (GO), e da Fazenda Brasil, em Barra do Garças (MT), ajudam a responder essa pergunta.

O objetivo final é sim melhorar a taxa de fertilidade, mas também, o peso do bezerro à desmama e a qualidade genética da geração seguinte. Abaixo, os parâmetros:

Fertilidade. É um critério decisivo em ambas as Agropecuárias para decidir que vaca vai para o abate ou continua na propriedade.

Fazenda BrasilDe acordo com o gerente agropecuário Rogério Fonseca Guimarães Peres, ganham uma segunda chance as primíparas precoces vazias que ficaram prenhas entre 12 e 15 meses.

Fazenda Lageado – São as novilhas Nelore que não emprenharam precocemente as que ficam de fora do descarte. Segundo Edmundo Rocha Vilela, criador e médico-veterinário que gere a propriedade do pai, Osvaldo Evaristo Vilela, desde 2002, a fazenda trabalha com inseminação de novilhas ½ Angus ½ Nelore entre 12 e 16 meses. “Há seis estações todas as novilhas ½ Angus que não emprenham vão para o abate. Entre as Nelore, só as vazias que tem de 24 a 28 meses são descartadas”, ele explica.

E se o controle parece rígido, surpreende ainda mais a meta da fazenda: “Dentro de mais duas estações de monta, queremos que 100% das matrizes que entrarem no rebanho sejam novilhas que emprenharam até os 16 meses, independente, de ser Nelore ou cruza Angus”, diz Edmundo.

Idade máxima. O critério que, em geral, é o segundo na linha de prioridades para descarte de matrizes também faz a diferença na pressão de seleção de animais nessas propriedades.

Fazenda Brasil – O teto para descarte de fêmeas é de 15 anos, com a ressalva de que o capataz tem autonomia para descartar vacas entre 12 e 15 anos. “Aí vai depender do julgamento dele, se acredita que estão perdendo escore de condição corporal (ECC) e portanto ficando muito ‘sentidas’”, diz Rogério.

Fazenda Lageado – Edmundo adota a idade máxima de 11 anos e, agora, que conseguiu aumentar o tamanho do rebanho e só depende da sua manutenção, estuda diminuir ainda mais esse parâmetro.

“A idade de descarte deverá abaixar inicialmente para nove anos e ir diminuindo para aumentar a pressão de seleção. Isto dependerá, é claro, da estabilidade ou não do volume de matrizes”, afirma.

Independente disso, hoje, entre o diagnóstico e o parto, matrizes com mais de nove anos que eventualmente apresentam baixo ou menor ECC dentro do seu lote de contemporâneas são identificadas para descarte. “Entendemos que são fêmeas de menor saúde e longevidade”, justifica.

Tipo físico. De fácil identificação, características físicas são outro critério para descarte de matrizes que contribui para a melhoria genética do rebanho.

Fazenda Brasil – Novilhas despigmentadas, com mau desenvolvimento ou problemas fenotípicos graves, por exemplo, são vendidas na desmama.

Fazenda Lageado – Com uma política parecida, descarta – durante o período seco, no momento do diagnóstico final ou até o início do protocolo da estação seguinte – vacas que apresentem chifres quebrados, problemas de casco, pele ou qualquer outra variação do gênero.

Entre as novilhas, são feitas diferentes apartações. Uma primeira para retirar aquelas que fogem dos padrões de conformação, padrão racial e de comportamento. Uma segunda para tirar as com anomalias físicas e as 15% mais leves. E, por fim, de acordo com Edmundo, sempre são descartadas novilhas com problemas de trato genital ou útero pouco desenvolvido, assim como as F2, cruzamento terminal.

Peso do bezerro à desmama. Podendo abarcar diferentes indicadores, o peso do bezerro à desmama também pode ser entendido como a habilidade materna da vaca.

Fazenda Brasil – De acordo com Rogério, não é adotado, por exemplo, um valor absoluto (de peso) para definir o descarte da fêmea que desmamou bezerro leve, mas sim um valor relativo. “As vacas que desmamam bezerros abaixo de dois desvios padrão em relação à média do lote são descartadas”, explica.

Fazenda Lageado – Na empresa de Edmundo o processo é outro. O descarte é feito entre vacas que desmamaram bezerros abaixo de 200 kg aos sete ou oito meses de idade.

Esse critério também vem se tornando mais rigoroso desde que o rebanho se estabilizou. “A ideia é descartar, dentro de mais duas estações, vacas que desmamaram entre 5 e 10% dos bezerros mais leves da safra para acelerar, e muito, o processo de melhoramento”, diz.

Hoje ficam no núcleo de inseminação de Nelore vacas que desmamaram bezerros pesados, que tem bom padrão racial e boa fertilidade. As Nelore que desmamaram bezerros um pouco mais leves são direcionadas para inseminação com Angus.

Taxa de prenhez

Vale ressaltar que as Agropecuárias usam estratégias diferentes para alcançar seus objetivos.

De acordo com Rogério, na Fazenda Brasil, 100% das vacas são inseminadas por IATF. Na última safra, a taxa de concepção com a técnica foi de 51% após o primeiro protocolo. As vacas que ficaram vazias foram submetidas a um segundo e, depois disso, repassadas com touros. Assim, ao final da estação de monta de 2014/2015, com duração de 125 dias, registrou-se taxa de prenhez de 81%.

Na Fazenda Lageado, a estratégia consiste em fazer até três protocolos de IATF. A fazenda não usa touros há cinco estações de monta. Na safra 2014/2015, com apenas uma IATF a fazenda alcançou prenhez de 59,08%. Ao final da estação de monta, que durou 91 dias, a taxa de concepção foi de 83,51%.

Quando trabalhados todos esses critérios o produtor deixa de fazer apenas o descarte involuntário, das matrizes que ficaram vazias, e passa a fazer também o voluntário. Saiba mais sobre esse assunto, clicando aqui.

Fonte: Portal DBO

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com