‘Confina Brasil’ visita 15 fazendas de 85 mil bois

Após uma pausa nas atividades por conta da pandemia do coronavírus, a primeira semana da expedição do Confina Brasil, iniciativa da Scot Consultoria, foi de trabalhos intensos do nascer ao pôr do sol. Seguindo todos os protocolos de segurança, a equipe visitou 15 confinamentos que juntos somam capacidade estática superior a 85 mil bois.
A expedição durante alguns dias aconteceu de forma simultânea. Enquanto uma equipe finalizava os mapeamentos no interior paulista, a segunda já estava a todo vapor em Mato Grosso do Sul. “Embora tenha sido uma semana cansativa pelo forte calor e pelas longas distâncias, tem sido muito produtivo e gratificante. Em todas as fazendas que passamos a recepção pelos gestores e pecuaristas foi excelente. Todos foram bem solícitos e forneceram as informações que precisávamos”, diz Olavo Bottino, médico veterinário e diretor técnico do Confina Brasil.
Ainda segundo ele, outro aspecto importante foi o visível otimismo em relação a atividade de confinamento por partes dos pecuaristas. “Percebemos que mesmo com esse ano atípico e de muita instabilidade, os produtores estão confiantes com o mercado, principalmente com a valorização da arroba, e continuam investindo e ampliando os negócios em suas fazendas”, destaca Bottino.

Bem-estar animal
Além do otimismo com o mercado de engorda de bois durante as visitas às propriedades, foi possível perceber diversas semelhanças entre as fazendas. Foi consenso em, praticamente, todos os confinamentos visitados a preocupação com o bem-estar animal, uma vez que foi observado em muitas fazendas a presença de sombras, aspersores e manejo de adaptação dos animais em piquetes. “A maioria dos confinamentos já entendem a importância e o diferencial do bem-estar para o ganho da boiada, porém boa parte ainda não tem implantado todos esses processos, mas já estão conscientes da importância do conforto animal dentro dos currais de engorda”, ressalta o médico veterinário.

Integração lavoura pecuária
O sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP), estratégia de produção que integra culturas anuais e pecuária no mesmo espaço em consórcio, sucessão ou rotação, também esteve presente em muitas fazendas que a equipe visitou. Segundo alguns produtores esse é um caminho sem volta, pois é o único jeito de fazer terras arenosas produzir.
Foi evidenciado também diversas modalidades de integração que fogem um pouco dos sistemas convencionais que estamos acostumados a ver. Além da rotação tradicional (grãos e pasto), tem produtor utilizando o algodão consorciado ao capim e inclusive com apoio da Embrapa na disseminação desse projeto. “Vimos produtores cada vez mais diversificando a ILP com as mais variadas culturas, expandindo a integração para melhor aproveitamento do solo, principalmente em Mato Grosso do Sul que tem áreas muito arenosas”, cita o diretor técnico.

Gestão diversificada
Entre as propriedades visitadas identificou-se as mais variadas estratégias de negócio, como alguns pecuaristas com boiada própria e de parceiros e outros focando principalmente na prestação do serviço de engorda. Para diminuir os custos da gestão e otimizar as operações, praticamente todos os confinadores que estão em regiões de melhor localização e logística que facilita a chegada de animais estão oferecendo o serviço de engorda para os parceiros. De acordo com Bottino, esse método de diluição de custo através de parceria tende a expandir, pois o pecuarista invernista está entendendo que vale muito mais a pena antecipar a engorda do animal. Ou seja, intensificar a recria dentro da fazenda e deixar a engorda para o confinador, finaliza.

A viagem continua
O Confina Brasil tem como objetivo visitar, fazer o levantamento e mapear cerca de um milhão de animais criados de forma intensiva nos cinco principais estados brasileiros confinadores, o que representa, aproximadamente, 20% do gado total confinado no País. A comitiva que já passou pelo interior paulista, continua na próxima semana em Mato Grosso do Sul, seguindo posteriormente para Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais. A expedição tem patrocínio da BB Seguros, Boehringer Ingelheim, John Deere, Nutron/Cargill e UPL. Além disso, o projeto conta com o apoio institucional da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Unesp Jaboticabal, Hospital de Amor de Barretos e a Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon), entidade que representa produtores de gado de corte e demais integrantes da cadeia produtiva da carne bovina. Todas as informações da rota serão atualizadas diariamente no Instagram @confinabrasil e no site do projeto www.confinabrasil.com.

Sobre
A Scot Consultoria é uma empresa dedicada à competitividade do agronegócio brasileiro. Foi criada com intuito de viabilizar a coleta, análise e divulgação de informações de mercado para o campo, onde geralmente há carência de informações confiáveis. Formada por profissionais especializados em agropecuária, as informações claras permitem decisões precisas. A proposta da Scot Consultoria é contribuir para o crescimento e fortalecimento do agronegócio, levando informações atuais a todos aqueles ligados aos elos da cadeia produtiva.