Confinamento de bovinos recua 5% em 2015

O volume de animais confinados dos associados da Associação Brasileira dos Confinadores (ASSOCON) foi de quase 731 mil animais em 2015. Esse resultado mostra queda de 5% em relação ao ano passado, quando a produção foi de 769 mil bovinos. O levantamento da entidade inclui os 85 projetos pecuários associados nos Estados de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Maranhão.

Fatores internos e externos comprometeram a expectativa inicial da Assocon, de crescimento do confinamento em mais de 5% no ano. No âmbito interno, o boi magro permaneceu valorizado e o consumo de carne bovina foi impactado, em parte pelo ambiente econômico brasileiro e em parte pela menor oferta de animais para o abate (queda ao redor de 10%). Nesse cenário, o consumidor também acabou migrando parte de seu consumo para as proteínas animais mais baratas, como frango e suíno. Em termos globais, grandes importadores, como a Rússia, passam por dificuldades econômicas e reduziram suas compras, comprometendo as exportações de carne bovina – que estão 17% inferiores a 2014 (dados até outubro)

Além disso, “o segundo giro de gado no confinamento apresentou problemas de rentabilidade devido ao preço do boi gordo, que não acompanhou a elevação do custo de produção, especialmente do milho”, afirma Bruno de Andrade, gerente-executivo da associação. Ele entende que os números finais de 2015 refletem de maneira fiel o humor do pecuarista.

A previsão para 2016, embora preliminar, segue a mesma tendência. De acordo com dados apurados pela Assocon, o confinamento pode cair até 3,5% no próximo ano, uma vez que o pecuarista continua desconfiado em relação ao consumo doméstico, custos de produção e retomada das exportações de carne bovina. “Mas ainda se trata de uma estimativa inicial, que pode ser revertida se algum desses componentes mudar. A Abiec está otimista em relação às exportações em 2016. Pode ser o sinal esperado pelos confinadores para investir na compra de bois magros. Resta esperar”, ressalta Bruno de Andrade.

Juliana Villa Real

TEXTO COMUNICAÇÃO CORPORATIVA
Contato: (+55) 11 3039-4100 | (+55) 11- 999.100.111
Skype: juliana.texto1
Site: www.textoassessoria.com.br
Acompanhe a TEXTO no twitter

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com