Trabalho e fé na genética recompensam a Carpa Serrana

“Nada resiste ao trabalho”, a frase fundamental dita por Eduardo Biagi há quase 90 dias serviu como estímulo para a equipe da Carpa Serrana e das prestadoras de serviços envolvidas na preparação do leilão Mega Carpa 2017, realizado no último sábado (03/09).

O remate que comercializou 2.915 mil bezerros de corte, 135 touros Nelore avaliados, fêmeas de produção e 5 touros Sindi registrou um crescimento de 22% no faturamento geral. “Esse ano de crise econômica e política sem precedentes com reflexo negativo na pecuária nos faz perceber quanto o Agronegócio brasileiro e a pecuária são segmentos sérios e sólidos pois os preços estão sendo retomados e os leilões tem liquidez. O Mega Carpa exemplifica isso apresentando os resultados financeiros e a disposição do criador Eduardo Biagi ao motivar as pessoas para trabalhar mais que nunca e fazer o melhor possível”, disse Paulo Horto, o diretor da Programa Leilões.

A etapa de vendas dos bezerros teve muita disputa e grande participação pelas mesas operadoras dos clientes que acompanharam a transmissão ao vivo e isso contribuiu para a oferta se configurar como uma das mais importantes do período. “Em nosso calculo conseguimos R$ 7,27 por quilo vivo do bezerro, o que equivale a arroba de R$ 218,10. Esses valores apontam para uma recuperação do mercado de bezerros e o entendimento de que investimento em genética dá retorno”, analisa o gerente de pecuária da Carpa, Luís Otávio Pereira Lima.

Público presente ao recinto da Mega Carpa

 

Os comentários dos coordenadores da leiloeira também deram conta de que os valores praticados creditaram para o remate uma das melhores reações de mercado para o segundo semestre. Os touros alcançaram R$ 10.333 de média, os bezerros R$ 1.748 e as fêmeas de produção R$ 5.895. No geral o remate que faturou R$ 6.720.900,00 teve evolução de 22% com relação ao ano de 2016.

“Quero também destacar a recompra da Carpa. A gente mede a satisfação do cliente quando ele volta, e citando apenas os dois maiores investidores do leilão sabemos que um deles compra há quatro anos e o outro há mais de 20”, informou o leiloeiro Lourenço Campo.

“Nossa missão foi cumprida com louvor. É uma jornada trabalhosa que envolve muita gente dentro da fazenda e eu agradeço o empenho de todos”, disse Eduardo Biagi a todos os presentes.

Fonte: Grupo Publique